sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

COORDENADOR DO SINTEF-PB INICIA CONTATOS SOBRE PROCESSO SUCESSÓRIO NA INSTITUIÇÃO

Uma das primeiras iniciativas do coordenador do SINTEF-PB, Arilde Franca, eleito recentemente para o biênio 2010/2011, foi fazer contato com a coordenação nacional do SINASEFE,- Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - para obter informações sobre os desdobramentos do processo sucessório para substituição das gestões pró-tempores, nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica.

Arilde informou que, conforme orientações de Ricardo Eugênio, da Coordenação Nacional, em reunião no MEC, na última semana, dentre os assuntos tratados, esteve a questão do calendário da eleições dos IFs.

Segundo Ricardo Eugênio, prosseguiu Arilde, a conversa com Alexandre Vidor, Coordenador da Rede Federal de Educação Profissional do MEC, resultou na informação de que, dentro em breve estaria saindo uma circular do MEC com o calendário das eleições em 2010.

A demora consiste em superar dificuldades do próprio MEC, em consolidar nomeações de pró-tempores em alguns IFs da Rede, a exemplo do Instituto do Acre, que sofre ingerência político-partidária do governador daquele Estado. “Essas situações tem dificultado o MEC "soltar" logo esse calendário, fora as outras dificuldades na logística dos inúmeros campi novos”; foi o que esclareceu Ricardo Eugênio ao coordenador do SINTEF-PB.

“No entanto, Ricardo Eugênio me garantiu que no terço final do mês de janeiro, o SINASEF já estará chamando uma Plena para, dentre outros pontos de pauta, discutir o calendário eleitoral nos IFs”, completou Arilde.

“O coordenador do SINASEFE quer convidar Alexandre Vidor para ir à Plena esclarecer melhor as intenções do MEC sobre este assunto que tanto preocupa as bases que terão processo sucessório em de 2010”, destacou Arilde.

Arilde adiantou, ainda, que deverá haver participação de representantes locais na Plena do SINASEFE. Nesse aspecto, garantiu que como coordenador geral do SINTEF-PB vai buscar informações “in loco”, para convocar uma assembléia, já no início de fevereiro, visando deflagrar iniciativas relacionadas ao processo sucessório no IFPB.

Arilde Franca assumiu que durante a próxima semana vai tentar entrar em contato com o MEC, possivelmente, com o próprio Alexandre Vidor, para  conseguir informações mais concretas sobre o processo sucessório institucional. Arilde já está recebendo apoiado de um grupo de servidores (técnicos e docentes) interessado em deflagrar, o mais rápido possível, o processo sucessório para substituição do Reitor pró-tempore.

11 comentários:

Rômulo disse...

Conheci o professor Arilde ALVES há época em que Coordenava o nosso Sindicato Nacional e chegamos a trabalhar juntos na direção do SINASEFE. Posso portanto afirmar que o SINTEF-PB só ganhou com a eleição do professor Arilde para a coordenação geral.
A prova é esta ação - acompanhar o calendário da eleição para Reitor do Instituto.
Ganhou o SINTEF, ganhou o Instituto, ganhamos todos nós com a vinda do professor Arildes Alves para coordenar nosso Sindicato.
Saudações Educacionais
Rômulo Gondim

Peter disse...

Espero que faça um bom trabalho representando os servidores do IFPB (Técnico-Administrativos e Docentes),uma vez que é UM sindicato só!

IFPB EM MOVIMENTO disse...

Rômulo disse...

Finalmente um espaço virtual e democrático para tratar das questões relacionadas ao IFPB, antigo - mas não tão antigo assim - CEFET-PB.
De parabéns os pensadores.

IFPB EM MOVIMENTO disse...

Maria José disse...

Está mais do que na hora dessa informação deixar de ser exclusividade ou de especulações e passar a ser do domínio da comunidade. Vamos acordar como Instituto, concebendo suas dimensões. A comunidade precisa estar atenta, crítica e pro-ativa, o processo seletivo é a oportunidade de escolhermos lideranças com uma concepção contemporânea de Instituto que de conta:
Das demandas do Ensino da Pesquisa e da Extensão;
Dos processos ou protocolos de fluxo administrativos mais complexos, peculiares às demandas de editais públicos, e da própria política de extensão do IFPB, os projetos faraônicos não conseguem ser executados,consequentemente o concurso para efetivos é uma incognita, será aprovado quando? o IFRN já garantiu isto, que instrumento tem garantido a autonomia dos novos campi, a quantas anda esta extensão....
Da valorização dos potenciais independente de concepção política e ocupação de cargos (atualmente se fortalece a cultura de quem trabalha é pressionado a parar, a centralização exacerbada não dá conta do fluxo administrativo que esse trabalho possa desencadear),
Faz-se necessário nos tornarmos fortes, líderes através do movimento pela (a) garantia de um espaço de trabalho democrático.Você está vivo que eu sei...

IFPB EM MOVIMENTO disse...

Peter disse...

Parabens aos criadores deste blog,para democratizar os pensamentos e opiniões da comunidade de trabalhadores do IFPB.
Espero que os técnico-administrativos pensem,reflitam sobre quem votar nas futuras eleições para dirigentes do IFPB.
Um fato que me preocupa desde o 1ºmandato do Presidente Lula o futuro do sindicalismo brasileiro.Nós enfrentamos o regime militar com passeatas,paralizações,greves e agora?
Nossos sindicatos estão calados,as centrais sindicais fazem festas com premios no dia 1º de maio ( Dia Internacional do Trabalho)e agora?Observem o que aconteceu com nossos ex dirigentes e ex lideres sindicais,ganharam cargos,passando desde Ministérios,Secretarias até Direções de Orgãos.
Vamos cobrar mais ação e transparencia dos nossos representantes eleitos junto ao nosso Conselho Superior.

IFPB EM MOVIMENTO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Peter disse...

Está passando mais um ano,a mentalidade de funcionário publico continua a mesma.Foi criado este blog para serem discutidos problemas, noticias e até informações que possam interessar a comunidade profissional (Servidores Técnico-Administrativos e Professores)do IFPB.A democracia é para ser treinada e praticada no dia a dia.Se aproxima o dia que iremos escolher nosso futuro dirigente máximo,reflitemos para que o futuro Reitor/Diretor não torne o Instituto em Republica dos Amigos ,trocando votos por cargos.Vamos eleger candidato que se crompometa
com os interesses,progresso da Escola.

Peter disse...

Em 1º lugar me solidarizo com a companheira Dantas,mulher coragem e decidida nos seus momentos de luta e no dia a dia. Quero perguntar se o Blog tirou férias natalinas e recesso de Ano Novo?Afora minha amiga Dantas e Romulo terem escrito algo,aonde estão os outros? Medo de dar opiniões,se comprometerem,realmente o Cristianismo consegue calar a boca das pessoas!Espero que não aconteça como a eleiçao para Governo do estado.Quem diria, O Partido Socialista Brasileiro ter apoio do Partido Democrata leia se PDS,Arena de Efraim Morais junto com O PT Municipal de João Pessoa (LuizCouto), no mesmo palanque a companhia da famigerada UDR junto com pessoal do MST?Cassio vem aí....
E o aumento de salário dos Funcionários antigos (2ª etapa)?Foi para as nuvens...
A pergunta o que é que O IFPB tem com isso?
Tem, O IFPB contribui com pessoal qualificado,para colaborarem na PM atraves de cargos para além de engrandecer sua auto estima, como também engordar seus bolsos e também maquinas eleitoreiras.

Rômulo disse...

Escrevi o artigo abaixo, quando retornei de Brasília, em 2007. Foi um dos primeiros textos que escrevi para meu site: www.romulogondim.com.br
Apresento-o neste Blog como forma de relembrar a história recente do nosso Centro/Instituto.
Abraço e Saudações Educacionais
PS: Vou fracioná-lo para caber


UMA REUNIÃO IMPORTANTE

20/04/2007 às 12:33



Minha agenda de 2004 (como é bom guardar agendas!) registra: dia 11 de novembro, às 14:00h, reunião com o Secretário-Executivo do MEC, Fernando Haddad; Luiz Caldas, Diretor-Geral do CEFET-Campos ( atual Presidente do CONCEFET) e o professor Antônio Ibãnez, Secretário da SETEC - Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. O Minsitro da Educação de então era Tarso Genro.

Por que o Secretário-Executivo do MEC (atual Ministro da Educação) nos convidou para uma Reunião? Porque ele queria ouvir os relatos de Campos e Paraíba sobre as experiências que estes Centros tinham com Educação de Jovens e Adultos.

Mal sabíamos (eu e Luiz) que estava nascendo nascendo ali o embrião para um Programa Nacional, hoje PROEJA - Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos.

...

Rômulo disse...

E como nasceu o Programa no CEFET-PB?

Ao longo da minha vida profissional, como professor da Escola Técnica/CEFET, sempre questionei porque não tínhamos uma presença mais marcante de jovens pobres da nossa cidade, na Instituição. Aventava, à época, a possibilidade de adotarmos posição como a da Escola Técncia Federal do nosso estado vizinho, Rio Grande do Norte, que há anos adotava cotas para alunos oriundos das Escolas Públicas. Não logrei êxito.

Entretanto, ao assumir a Direção-Geral do CEFET-PB, levantei a tese junto à comunidade escolar e ao verificar resistências, busquei construir aliados para um primeiro passo em busca da inclusão social dos jovens e adultos que nunca tiveram a oportunidade de ingressar (às vezes de nem ultrapassar a porta) naquela secular Instituição Federal de Ensino.

Foi, portanto, com muito esforço, e quebrando diversas barreiras, que, em 2003, elaboramos o Projeto Pedagógico em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de João Pessoa dirigida pelo professor-parceiro Neroaldo Pontes). O prefeito era Cícero Lucena.

Registre-se, na construção deste Convênio, a participação da procuradora federal à época, Zeneida machado, que entendeu a importância social do projeto e dos servidores, na pessoa da Diretora de Ensino, Demalva Maria que se envolveram no Projeto.

Para manter os alunos no Programa, a Prefeitura Municipal de João Pessoa entrou com os passes para que os alinos pudessem se deslocar das suas casasa/trabalho para o CEFET, além do fardamento escolar. Nós entramos com um lanche noturno a fim de que os mesmos pudessem acompahar as aulas, já alimentados. (Tenho conhecimento que o MEC estuda atualmente a possibilidade de oferta de bolsa de estudos aos alunos do Programa).

Nossa experiência foi motivo de debate em um programa veiculado nacionalmente: Um Salto para o Futuro, transmitido pela TV Escola.

Repercutiu nacionalmente e, talvez, daí o convite do hoje Ministro da Educação, Fernando Haddad, para aquela histórica reunião de 11 de novembro de 2004. (pela manhã, minha agenda registra, participamos, todos os Diretores-Gerais do 10º Fórum Nacional do Planalto, na Casa Civil da Presidência).

Existem coisas que nos orgulham quando estamos à frente de Instituições: este programa foi um dos meus orgulhos como Diretor-Geral do CEFET-PB.

O CEFET, como qualquer outra casa de ensino do mundo, deveria ser para todos e, no que for possível, deveria ser masi ainda para os pobres, pois, tratando-se de instituição pública, mantida pela União, tem obrigação de acolher "os desprovidos do capitalismo", como bem repete a professora Jaqueline Moll - Diretora do Departamento de Articulação Política e Institucional da SETEC/MEC.

Enfim, assisti, semana passada, à solenidade de conclusão da segunda turma do ensino médio do Convênio (senti falta da Madeleine, grande incentivadora desta inciativa). Fiquei contente em presenciar a justa homenagem que os alunso prestaram ao professor Luiz Gonzaga, professor de História - aquele que entendeu, sim, "que o CEFET é lugar para pobres" também, ou melhor, "desprovidos do capitalismo".

Rômulo Gondim

17 de abril de 2007

Pitercinema disse...

Aproximam-se as Eleições e voltando os sorrisos,tapinhas nas costas,promessas de cargos e outras práticas conhecidas tudo em nome da"Democracia".Estou escrevendo pensando no futuro do nosso Instituto perante a Comunidade do nosso Estado.Aparecerão vários tipos de candidatos:Por Vaidade Pessoal,Super Poder,Amor ao IFPB,etc...Por isto vamos nos valorizar,mostrando a nossa importancia na engrenagem do movimento do Instituto.